Posts com a Tag ‘Produtos OZ Engenharia’

Mais uma vez a OZ Engenharia em parceria com a LLBC inovaram com uma árvore solar fotovoltaica junto ao Caminho do Gol em Porto Alegre.

Com objetivo de atender requisitos de sustentabilidade solicitados pela FIFA, junto aos jogos da copa, foi elaborada uma ação de Exposição de Árvore Solar Fotovoltaica que transforma a energia do sol em energia elétrica limpa e renovável, para ser utilizada como sistema de sinalização e ponto de iluminação local, com serviço à população de recarga de baterias de celular, câmeras fotográficas digitais. A árvore solar está instalada na esquina da Av. Borges de Medeiros com a Av. Aureliano de Figueiredo Pinto, próximo ao espaço reservado das estruturas consulares provisórias (contêineres) localizados na Estação Praça Isabel, a Católica de Espanha, no trajeto que a Prefeitura de Porto Alegre denominou CAMINHO DO GOL, durante a Copa do Mundo de 2014.

A Árvore Solar com formato de Araucária, tem as dimensões 4,40m de altura, totalizando 520watts/hora, cuja energia é armazenada em um conjunto de baterias internas à árvore. Estas baterias fornecem a carga para iluminação noturna local e também permitem carregamento de celulares na própria árvore através de cabo espera universal.

Um CICLOMOTOR Elétrico, fabricado pela LLBC, estará à disposição da SECOPA, para agente autorizado, como demonstração e para ser usado nas rondas de fiscalização no CAMINHO DO GOL durante os dias de realização dos eventos. O veículo é totalmente elétrico, não gera ruído e não gera gases de efeito estufa, podendo ser carregado em uma tomada comum ou na própria árvore que é carregada com energia solar.

A Árvore Solar, bem como o Ciclomotor Elétrico, ficarão em exposição no período de realização da Copa, de 12 de junho a 13 de julho de 2014. Após essa data, a Árvore será deslocada para Lajeado, junto a Universidade UNIVATES.
A ação foi desenvolvida pelas empresas LLBC e OZ Engenharia do TECNOPUC com patrocínio da UNIVATES e apoio da SECOPA da Prefeitura de porto Alegre.

O Instituto de Propriedade Industrial (INPI) publicou nesta terça-feira, 21/01/14 em sua página da internet “e-patentes”, parecer técnico sugerindo pela nulidade administrativa da patente PI08043167 de titularidade de uma concorrente multinacional depositada em 03/11/2008 e concedida em 24/01/2012 – aproximadamente 03 anos após o depósito.

De acordo com o parecer em tela, foi questionada a validade da patente, por falta de novidade e atividade inventiva (Art. 11 e 13 da LPI). Devido a um erro de publicação, a decisão foi divulgada apenas na RPI2246. As partes ainda tem 60 dias para manifestação.

A OZ buscou apoio junto ao ETT (Escritório de Transferência de Tecnologia da PUCRS) e Tecnopuc para a ação de pedido de nulidade administrativa (pedido em junho de 2012) e graças à argumentação  e análise da documentação apresentada ao INPI foi possível a publicação do parecer.

“Acionamos inclusive o Ministério Público e a Corregedoria do INPI para verificar possíveis erros dessa concessão” diz Fábio Rahmeier, diretor da OZ Engenharia. “Agora podemos finalmente comercializar tranquilamente nosso produto para higienização do sistema de ar condicionado dos veículos, cujo produto similar já era oferecido para linha de ônibus desde o ano 2003”.

A nulidade, se declarada, retroage à data do depósito do pedido de registro ou da patente (arts. 48 e 167 da Lei 9.279/96) e seu titular é considerado como nunca tendo adquirido direito algum sobre a marca ou invenção. (SCHMIDT, Lélio Denicoli. Rio de Janeiro: Lumen Juris, 2009.)

Veja os documentos na íntegra:

Parecer CGREC

Parecer Técnico – DIMEC_Page1

Parecer Técnico – DIMEC_Page2

Muito se tem falado sobre a liberação de plantas resistentes ao uso do agente laranja em nossas plantações, pensando nisso o Blog da OZ Engenharia de Ozônio, resolveu fazer uma pesquisa sobre o assunto e as reais consequências e vantagens do uso desse agente (e se é realmente ele que será usado). Para isso vamos entender um pouco o contexto da sua criação.

Guerra do Vietnã

A Guerra do Vietnã foi um conflito armado que começou no ano de 1959 e terminou em 1975. As batalhas ocorreram nos territórios do Vietnã do Norte, Vietnã do Sul, Laos e Camboja. Esta guerra pode ser enquadrada no contexto histórico da Guerra Fria. O Vietnã havia sido colônia francesa e no final da Guerra da Indochina (1946-1954) foi dividido em dois países. O Vietnã do Norte era, comandado por Ho Chi Minh, possuindo orientação comunista pró União Soviética. O Vietnã do Sul, uma ditadura militar, passou a ser aliado dos Estados Unidos e, portanto, com um sistema capitalista.

A Guerra do Vietnã foi a primeira a utilizar helicópteros.

Os EUA passaram a colaborar com o Vietnã do Sul enviando armas, dinheiro e conselheiros militares.

Tudo isso fez com que surgissem os movimentos de oposição: Frente Nacional de Libertação (apoiados pelo Vietnã do Norte) juntamente com o seu exército Vietcongue.

Apoiados pelos americanos e suas armas poderosas os sul-vietnamitas atacaram por 10 anos o norte.
Porém, depois que algumas embarcações americanas foram bombardeadas no Golfo de Tonquim, o presidente Lindon B. Johnson ordenou bombardeios de represália contra o Vietnã do Norte. Esse fato marcou a entrada dos EUA na guerra (1965). Os soldados norte-americanos sofreram num território marcado por florestas tropicais fechadas e grande quantidade de chuvas. Os vietcongues utilizaram táticas de guerrilha, enquanto os norte-americanos empenharam-se no uso de armamentos modernos, helicópteros e outros recursos, entre eles o agente laranja e o napalm. O final dessa guerra a maioria conhece, sem apoio popular e com derrotas seguidas, o governo norte-americano aceita o Acordo de Paris, que previa o cessar-fogo, em 1973. Em 1975, ocorre a retirada total das tropas norte-americanas. É a vitória do Vietnã do Norte. O conflito deixou mais de 1 milhão de mortos (civis e militares) e o dobro de mutilados e feridos. A guerra destruiu casas e provocou prejuízos econômicos e arrasou campos agrícolas, com o uso do tão famoso Agente Laranja.

Agente Laranja

Agente laranja é uma mistura de dois herbicidas: o 2,4-D e o 2,4,5-T, recebeu esse nome  por causa de uma faixa laranja na embalagem. Por questões de negligência e pressa para utilização, durante a Guerra do Vietnã, foi produzido com inadequada purificação, apresentando teores elevados de um subproduto cancerígeno da síntese do 2,4,5-T: a dioxina tetraclorodibenzo- dioxina. Este resíduo não é normalmente encontrado nos produtos comerciais que incluem estes dois ingredientes, mas marcou para sempre o nome do Agente Laranja, cujo uso deixou sequelas terríveis na população daquele país e nos próprios soldados norte-americanos.

No período de 1961 a 1971, as tropas americanas aspergiram 80 milhões de litros de herbicidas, que continham 400 quilogramas de dioxina sobre o território vietnamita, de acordo com estatísticas oficiais.

Esse desfolhantes destruiram o habitat natural, deixaram 4,8 milhões de pessoas expostas ao agente laranja e provocaram enfermidades irreversíveis, sobretudo malformações congênitas, câncer e síndromes neurológicas em crianças, mulheres e homens do país.

Aproximadamente 50 anos depois do uso dessa arma química o Conselho Mundial da Paz (CMP) lança campanha para condenação dos Estados Unidos, pela destruição de  florestas e por ter vitimado milhões de pessoas (estima-se que pelo menos três milhões de vietnamitas vivam com sequelas). Além disso, mais de 25% das florestas foram atingidas – cerca de três milhões de hectares-,  chegando a contaminar o solo e lençóis freáticos. Em 2009, foi detectado que nível da substância na região estava de 300 a 400 vezes acima do limite tolerável.

Contexto Atual Agente Laranja

O herbicida 2,4-D que compõe o agente laranja é utilizado a mais de meio século em nossas lavouras. De acordo com informações publicadas em sites especializados, plantas com resistência ao herbicida podem ser liberadas geneticamente para uso em nossas plantações, de acordo com esses dados, os herbicidas à base de glifosato, anunciados em anos anteriores como solução definitiva contra pragas na agricultura, já não exercem a mesma eficácia sobre plantas daninhas. Como resultado, as espécies invasoras ocupam lavouras e resistem à pulverização, prejudicando ou até inviabilizando safras inteiras. Uma solução apresentada propõe o plantio de variedades transgênicas de soja e milho resistentes a um defensivo mais agressivo, o 2,4-D (ácido diclorofenoxiacético).

Atualmente em análise na Comissão Nacional de Biotecnologia (CTNBio), órgão vinculado ao Ministério de Ciência e Tecnologia, a solicitação caminha para a liberação. Mas a medida gera controvérsias: enquanto uma força-tarefa capitaneada pelo setor agroquímico defende a aprovação, alguns pesquisadores a condenam por fomentar o uso de um produto que imporia riscos à saúde humana.

A preocupação quanto à liberação de variedades resistentes ao 2,4-D aumenta na medida em que a agressividade do herbicida não se restringe às pragas que combate. Enquanto o glifosato e o glufosinato de amônio, que dominam o mercado brasileiro de defensivos, ocupam a faixa verde na Classificação Toxicológica da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), o 2,4-D está no ápice do risco: faixa vermelha – extremamente tóxico.

O uso indiscriminado desse herbicida concomitantemente com o não tramamento dos resíduos agrícolas pode gerar um contaminação ainda maior dos nossos solos, rios, animais, plantas e lençóis freáticos.

Preservar a diversidade e a integridade do patrimônio genético do País e fiscalizar as entidades dedicadas à pesquisa e manipulação de material genético At. 225 CF/88

Esse parágrafo da nossa constituição não está sendo respeitado, pois a fiscalização e punição de infratores está cada vez mais amarrada por regras e leis burocráticas e sem poder de ação, devemos repensar o modo como estamos tratando nossa terra, se ações corretas não forem feitas, nada mais nos restará, além da triste imagem das matas devastadas na guerra do vietnã.

Não confunda com Napalm

Napalm sendo utilizado na guerra do Vietnã

Pesquisando sobre o uso do agente laranja encontrei muitas informações confundindo a ação dele com o Napalm, o Napalm  é um conjunto de líquidos inflamáveis à base de gasolina gelificada, utilizados como armamento militar. O napalm é na realidade o agente espessante de tais líquidos, que quando misturado com gasolina a transforma num gel pegajoso e incendiário.

O napalm foi usado em lança-chamas e bombas incendiárias pelos Estados Unidos e nações aliadas, para aumentar a eficiência dos líquidos inflamáveis. A substância é formulada para queimar a uma taxa específica e aderir aos materiais. O napalm é misturado com a gasolina gélida (ou gelatinosa) em diferentes proporções para alcançar este objetivo.

Diversos lançadores foram desenvolvidos para seu uso, culminando nas armas lança-chamas utilizadas para atacar os exércitos vietnamitas no fim da década de 1960. Também foi usado contra cidades e vilarejos de civis posteriormente.

Na Segunda Guerra Mundial, as Forças aliadas bombardearam cidades do Japão com bombas incendiárias feitas com napalm. Este tipo de armamento foi usado também pelas Forças armadas dos Estados Unidos contra guerrilhas comunistas na Guerra civil grega, na Coreia, por ocasião da Guerra da Coréia e no Vietnã, Laos e Camboja, durante a Guerra do Vietnã. O governo do México também utilizou napalm em 1960 contra guerrilha de Guerrero. Há notícias, também, de ter sido utilizado por Portugal nas antigas colônias de África, na chamada Guerra Colonial (1961-1974), mais notadamente em Moçambique.
Um outro efeito do napalm em bombas, consiste na desoxigenação do ar envolvente e aumento da concentração de Monóxido de Carbono os quais provocam asfixia. Uma outra utilização do napalm na Guerra do Vietnã consistiu na rápida abertura de clareiras para a aterrissagem de helicópteros.

A menina que simboliza a guerra

A famosa foto com as crianças correndo, fugindo do local onde sua aldeia havia sido atacada por um bombardeio de Napalm, virou símbolo de uma guerra covarde e injusta, mostrando a dor de inocentes e o poder bélico de quem prefere matar à distância.
A foto foi feita no dia 08 de junho de 1972 pelo fotógrafo da agência Associated Press, Huynh Cong Ut, que posteriormente recebeu o prêmio Pulitzer pela imagem.
A menina da foto chama-se Phan Thi Kim Phúc e sua história é descrita com mais detalhes na matéria após a imagem símbolo e algumas imagens coloridas da ocasião.
Que este dia e esta imagem fiquem sempre na mente de todos, pois é importante que algo desse porte nunca volte a ocorrer novamente.
O Destino da menina
Ela se transformou no símbolo da Guerra do Vietnã. A foto da menina queimada, fugindo nua após seu vilarejo ser devastado pelos americanos, correu o mundo. Hoje, Phan Thi Kim Phuc ainda carrega as marcas do bombardeio, mas se esforça para superar o trauma. “Estive no inferno e percebi que, se mantivesse o ódio, nunca sairia dele”, disse a vietnamita em uma entrevista.
Phan conta que jamais esquecerá o dia 8 de junho de 1972. “Estávamos em casa e, de repente, começamos a ver nossa vila sendo atacada. Corremos para um templo, que depois também foi bombardeado. Decidimos sair correndo. Ao sair, senti meu corpo inteiro queimar, como se estivesse em um forno. Era o napalm, que eu, sinceramente, não tinha ideia do que fosse até aquele momento”, disse Phan, que teve 65% de seu corpo queimado.
Seu vilarejo, Trang Bang, fica no sul do Vietnã, a cerca de 40 quilômetros de Saigon. A bomba foi lançada por soldados do Vietnã do Sul contra tropas norte-vietnamitas. A operação foi coordenada por militares americanos, ainda que Washington jamais tenha admitido seu envolvimento.
Em 1972, ela tinha 9 anos. Hoje, aos 45, é casada e mora no Canadá com seus dois filhos. Sua foto, tirada por Huynh Cong Ut, fotógrafo da agência Associated Press, ganhou o Prêmio Pulitzer do ano seguinte e se transformou no símbolo do conflito.
Enquanto a foto corria o mundo, sua vida mudava de forma radical. Após o ataque, ela foi levada para um hospital em Saigon pelo próprio fotógrafo. “Só me lembro que jogava água no meu corpo.”
Quando chegou ao hospital, as enfermeiras disseram que a garota não sobreviveria. “Fiquei 14 meses internada e passei por 17 cirurgias”, diz. A última ocorreu na Alemanha Oriental, em 1984. Mas, nem assim, as marcas desapareceram. “Continuo sentindo muita dor a cada movimento.”
Um ano após o ataque, ela voltou ao vilarejo. “Alguns dias depois, meu pai me trouxe um jornal e me mostrou a foto. Fiquei horrorizada e chorei sem parar por vários dias. Foi naquele momento que comecei a entender o que eu tinha vivido. Além disso, estava muito envergonhada. Não suportava me ver nua em uma foto que o mundo inteiro viu.”
Phan relata que estava vestida com uma roupa leve no momento do ataque, a qual que foi queimada em alguns segundos. “Se estivesse usando uma roupa mais pesada, que levasse mais tempo para queimar, estaria morta. Muitos morreram exatamente desta forma.”
Aos 13 anos, ela foi estudar em Saigon. No regime comunista, obteve a autorização, alguns anos mais tarde, para estudar medicina em Cuba, onde conheceu seu marido. Na viagem de lua-de-mel, o avião fez uma escala no Canadá, de onde o casal nunca mais saiu.
Phan tentou viver no anonimato, mas foi descoberta nos anos 90. “Um dia, estava andando na rua em Toronto e alguém me disse que sabia quem eu era. Foi aí que eu entendi que não poderia mudar o passado, mas que poderia alterar o significado do que ocorreu.”
A vietnamita passou a atuar como ativista de direitos humanos, tornou-se embaixadora da Unesco e criou uma fundação. Até hoje, Phan se lembra com ironia dos comentários do então presidente americano Richard Nixon, que duvidava da autenticidade da foto.
 O Ozônio no Contexto

Pátio Agrícola – clique para ampliar

A possibilidade da intensificação do uso do 2,4-D em virtude da liberação dos novos transgênicos resistentes a ele é questionável no Brasil,  pois ainda não existe regulamentação para os pátios de descontaminação de pulverizadores terrestres, o que poria em risco todo nosso ecossistema, já que os resíduos líquidos da lavagem (calda tóxica) ainda são despejados diretamente no meio ambiente (solo e sumidouros), sem o tratamento adequado.   A OZ Engenharia possui em sua linha de produtos o DEGRADATOX®, um sistema de degradação dos princípios ativos com ozônio, utilizado no tratamento da calda proveniente da lavagem de aeronaves e tratores pulverizadores de agrotóxicos. Essa calda é posteriormente armazenada em tanque de evaporação, evitando desta maneira que o resíduo seja despejado no solo, contaminando-os, prevenindo riscos de contaminação do meio ambiente (volatilização e consequente sumiço das abelhas). Para saber mais sobre o equipamento clique no link ou nos ligue (51) 3339 0082.

Extra:

Opinião Monsanto sobre uso do Agente Laranja.

 

Fontes:

http://www.vn-agentorange.org/RL34761_200905.pdf

http://apogeudoabismo.blogspot.com.br/2012/06/menina-que-simboliza-guerra-do-vietna.html

http://pt.wikipedia.org/wiki/Agente_laranja

http://noticias.terra.com.br/ciencia/herbicida-do-agente-laranja-pode-ser-liberado-para-uso-em-lavouras,f8a8d8f8ccb10410VgnVCM5000009ccceb0aRCRD.html

http://www.suapesquisa.com/historia/guerra_do_vietna.htm

http://www.infoescola.com/historia/guerra-do-vietna/

 

 

 

 

 

 

 

 

Crédito: Bruno Todeschini/PUCRS

 

O sócio diretor da OZ Engenharia teve seu perfil empreendedor publicado na InovaNews edição nº 4 – maio/junho de 2013, veículo de comunicação da Rede Inovapucrs, que traz notícias de inovação e empreendedorismo da Universidade, com periodicidade bimestral. Na matéria Fábio Rahmeier falou sobre a importância da multidisciplinaridade e do talento e das possibilidades do uso do ozônio como alternativa ecológica e econômica para as empresas.

Veja na íntegra a entrevista acessando o site da INOVAPUCRS.

Mesmo com dois pareceres técnicos contrários, o Ministério da Agricultura (Mapa) liberou o uso de um agrotóxico não registrado no País para combater emergencialmente uma praga nas lavouras de algodão e soja. A decisão, publicada anteontem no Diário Oficial, permite o uso de defensivos agrícolas que tenham em sua composição o benzoato de emamectina, substância que, por ser considerada tóxica para o sistema neurológico, teve seu registro negado pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), em 2007.

O uso de agrotóxicos no País é norteado por pareceres do Comitê Técnico de Assessoramento para Agrotóxicos (CTA), formado por membros dos Ministérios da Agricultura e do Meio Ambiente e da Anvisa – os dois últimos são encarregados de avaliar os riscos do uso de defensivo para o meio ambiente e a saúde pública.Em março, diante da praga da lagarta quarentenária A-1 Helicoverpa armigera em lavouras do oeste da Bahia, representantes do Mapa solicitaram uma reunião extraordinária do CTA para a liberação do benzoato. A proposta era que o produto fosse usado emergencialmente até a safra 2014/2015.

No primeiro encontro, representantes do Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e da Anvisa foram contrários à liberação. De acordo com a ata da reunião, a maioria do grupo afirmava que os documentos apresentados não permitiam tal liberação.Diante da negativa, o Mapa solicitou uma nova reunião, realizada cinco dias depois. Nesse encontro, tanto a Anvisa quanto o Ibama mantiveram sua posição: não havia elementos suficientes para que a liberação fosse realizada.

O Mapa, no entanto, decidiu liberar o uso do benzoato. De acordo com o ministério, não é a primeira vez que a Agricultura adota uma decisão unilateral. Em 1986, de acordo com a assessoria, também houve liberação de agrotóxicos para combater uma praga de gafanhoto.

Além do benzoato, outros cinco tiveram seu uso liberado para o combate à praga: dois produtos biológicos (Vírus VPN HzSNPV e Bacillus Thuringiensis) e três químicos (Clorantraniliprole, Clorfenapyr e Indoxacarbe). A diferença, no entanto, é que os cinco já têm registro no País para uso em outras lavouras.O uso do benzoato será regulamentado numa instrução normativa, seguindo as observações dos Ministérios do Meio Ambiente e da Saúde.

Solução ecológica

A OZ Engenharia desenvolve os aparelhos Degradatox, que são utilizados para tratamento da calda gerada nos pátios de descontaminação da aviação agrícola e dos tratores, evitando maiores riscos de contaminação do meio ambiente. Para saber mais sobre o equipamento clique no link ou nos ligue (51) 3339 0082.

Acesse nosso informativo sobre o equipamento Degradatox.

Fonte: Estadão

 

 

Mais uma vez a OZ Engenharia estará presente em uma Feira do Empreendedor SEBRAE em parceria com a empresa mineira Conecte Ambiental. Desta vez participaremos da edição que acontece de hoje até o domingo 12/08 no Tocantins.

Empreendedores e empresários estarão reunidos em Palmas para buscar oportunidades de negócios, conhecer tendências e aprimorar a gestão dos seus empreendimentos. A feira acontece a cada dois anos e nessa edição vem com o tema “A cidade Empreendedora”.

Quem estiver na capital tocantinense pode visitar o estande da Conecte, conhecer o trabalho da empresa e a parceria com a OZ. Lá também estará em exposição nosso equipamento de uso doméstico, Air Life.

 

Abaixo, uma  imagem que mostra de forma simples, a importância da instalação de pátios de descontaminação para tratamento da calda proveniente da lavagem de aviões e tratores pulverizadores de agrotóxicos.

Atualmente existe a exigência para construção do pátio apenas para pulverizadores da aviação agrícola, porém a legislação ainda não conseguiu estender  a obrigação para os tratores pulverizadores, que somam 90% dos aplicadores de agrotóxicos.

Entenda melhor a questão. Clique na imagem para vê-la ampliada.

 

 

O que é gripe A (H1N1)?

É uma doença aguda respiratória altamente contagiosa entre seres humanos, que leva a um quadro de infecção respiratória. Embora ainda não esteja comprovado, acredita-se que o vírus tenha vindo de uma série de mutações originadas em porcos.

Tenho sintomas de gripe. Como posso saber se é um caso de gripe A (H1N1)?

Apenas se houver febre alta repentina (maior que 38 graus centigrados) e tosse, podendo estar acompanhas de algum dos seguintes sintomas: dor de cabeça, dores musculares e nas articulações, e dificuldade respiratória. Além disso, o doente deve ter apresentado esses sintomas até 10 dias após sair de países que reportam casos da influenza A ou ter entrado em contato próximo com uma pessoa suspeita de infecção (como alguém que esteve em uma região afetada e apresentou os sintomas até 10 dias depois.


O ozônio e a prevenção de gripes:

– O Ozônio ajuda a proteger o ambiente de agentes contaminantes como fungos, bactérias e vírus, causadores de gripes – inclusive a gripe A (H1N1) também conhecida como gripe suína – rinites, infecções respiratórias e outras doenças;

– Ajuda também na neutralização da fumaça de cigarro e elimina o mau cheiro em salas, quartos, banheiros e armários;

– Auxilia na conservação de alimentos;

– Elimina odores de animais presentes no ambiente.

 

Como funciona?

O ar que passa no interior do aparelho é higienizado e o residual de ozônio liberado na frente do aparelho inibe microrganismos presentes no ambiente ou depositados sobre as superfícies dos objetos (mesas, cortinas, pisos e paredes). O aparelho gerador de ozônio Air Life possui tecnologia desenvolvida pela OZ Engenharia e contempla os conceitos de higienização e desinfecção do ar ambiente utilizando o ozônio como barreira sanitária.

Pode ser utilizado em residências, estabelecimentos comerciais, escritórios, veículos, clínicas, consultórios, hotéis, restaurantes, hospitais, indústrias e depósitos como complementar da assepsia e higienização do ambiente.

Nessa mesma época,no ano passado, falamos sobre a Gripe A e as mortes que ela já tinha provocado até então.. A situação não mudou muito. Confira.

 
 

Mais informações sobre uso do ozônio na prevenção de gripes ligue (51) 3339 0082 – www.ozengenharia.com.br

Mais informações sobre a gripe H1N1 acesse: http://www.mundovestibular.com.br/articles/6837/1/O-que-e-gripe-A-H1N1/Paacutegina1.html

O jornal gaúcho Zero Hora está publicando uma série de reportagens sobre a qualidade da água, escritas por Francisco Amorim e Itamar Melo. A série intitulada “A água que bebemos”, descreve todo o percurso que a água faz desde os rios até as nossas casas, passando pelo esgoto despejado no manancial e as opções de tratamento para essa água.

No verão, por exemplo, Porto Alegre enfrenta um período em que a água que chega aos moradores da cidade apresenta gosto de terra. Isso acontece porque, com a diminuição das chuvas, ocorre a proliferação de algas que liberam determinadas substâncias causando gosto e cheiro característicos de terra na água.

Para solucionar esse problema, a reportagem destaca o ozônio como alternativa. Fábio Rahmeier, diretor da OZ Engenharia, foi entrevistado para a realização desta matéria e defende que, “mesmo que signifique um investimento alto, o ozônio compensa e teria a vantagem de ser uma tecnologia limpa”.

A última parte da série será publicada amanhã, na seção Geral do jornal Zero Hora. No site do periódico você pode ler a parte da reportagem que fala sobre o ozônio.

Pesquisar
Divulgação
Calendário
dezembro 2017
S T Q Q S S D
« jul    
 123
45678910
11121314151617
18192021222324
25262728293031
Site OZ Engenharia
Águas Limpas
Google +1
Categorias